ENTENDA COMO A PREVIDÊNCIA PRIVADA PODE TRAZER TRANQUILIDADE PARA A VIDA A DOIS

ENTENDA COMO A PREVIDÊNCIA PRIVADA PODE TRAZER TRANQUILIDADE PARA A VIDA A DOIS

O casamento é um grande investimento mas, para que ele renda frutos, é indispensável aprender a investir também na vida financeira do casal

Casamento requer planejamento de uma vida a longo prazo e, principalmente, de um futuro financeiramente estável. Então, por que não começar a planejar uma vida a dois com uma previdência privada? Seja daqui a 10, 20 ou 30 anos, planejar é entender as vantagens, benefícios e as modalidades desse investimento que pode garantir o futuro da sua família e auxiliar na aposentadoria.

É muito comum os investidores aplicarem de maneira errônea em fundos de previdência, por falta de entendimento. Investir em previdência privada requer conhecimento nos dois modelos disponíveis no mercado brasileiro: a VGBL e a PGBL. Na previdência privada VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre) não existe dedutibilidade fiscal e, ao resgatar o montante, o imposto incide somente em cima do ganho de capital. Esse modelo é mais indicado para quem opta pela declaração simplificada do imposto de renda e utiliza o desconto padrão de 20%.

Já na PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre) o imposto pago na hora do resgate incide sobre o capital total. Por isso, o PGBL é mais indicado para quem faz a declaração completa do imposto de renda, pois permite abater da base de cálculo do imposto até 12% da renda bruta anual tributável – salário e renda de aluguéis, por exemplo. Se o valor de imposto de renda recolhido é menor, você tem um poder de poupança maior e consegue investir mais. Isso, ao longo do tempo, faz uma grande diferença!

Entretanto, poucos têm conhecimento de que para se ter esse benefício deve-se contribuir para previdência social (INSS). Além do mais, a previdência privada também tem regras de tributação no resgate do investimento.Existem duas opções de tributação dos resgates em planos de previdência: tabela progressiva compensável e a tabela regressiva definitiva.

A tabela progressiva compensável tem alíquotas maiores conforme o valor resgatado e é compensável, pois certas despesas – como as ligadas aos dependentes, saúde e demais despesas dedutíveis do cálculo do imposto – podem reduzir o imposto a se pagar. Além disso, após os 65 anos, a tabela tem os valores dobrados. Ou seja, se deixar para resgatar quando completar essa idade, a isenção fica duas vezes maior.

Já na tabela regressiva definitiva as alíquotas são menores quanto maior o tempo que o recurso fica investido. É definitiva, pois não é compensável na declaração anual de ajuste. Esta tabela começa com 35% de imposto de renda até 2 anos e vai diminuindo 5% a cada dois anos – até o limite de 10% após 10 anos.

Você pode contar com o apoio da Allez Invest para entender melhor qual a modalidade de previdência privada condiz com seus planos para o futuro da sua família. Venha conversar conosco!

Por Bruno Rosenmann, sócio-proprietário da Allez Invest.

Texto publicado originalmente na TOPVIEW