ESPECIALISTA EM INVESTIMENTOS AVALIA AS AÇÕES DO BANCO CENTRAL DE FLEXIBILIZAÇÃO MONETÁRIA

ESPECIALISTA EM INVESTIMENTOS AVALIA AS AÇÕES DO BANCO CENTRAL DE FLEXIBILIZAÇÃO MONETÁRIA

Renan Hamilko, sócio-fundador da Allez Invest em Curitiba (PR), apresenta as vantagens para a economia brasileira com as ações do Banco Central

Para melhorar a liquidez das empresas, durante a atual crise sanitária, o Banco Central apresentou medidas para complementar o “Orçamento de Guerra”, que está em votação no Congresso. As iniciativas preveem a compra de títulos públicos e privados pelo Tesouro Nacional para ajudar as empresas e o mercado financeiro. O sócio-fundador da Allez Invest, Renan Hamilko, explica as formas que essa medida vai impactar para os investidores e consequentemente a economia brasileira.

Uma das principias críticas para compra de títulos pelo BC, é a possibilidade de inadimplência das empresas, devido ao momento.  Para o especialista, o risco existe – se comparado a alguns meses atrás -, mas não significa ser necessariamente alto. “O papel do governo em momentos de crises, como essa que vivemos, é justamente fazer o possível para mitigar os danos, e se isso significa se expor à um pouco mais de risco de crédito para trazer mais estabilidade para a economia, é aceitável”, argumenta. Para os investidores, a ação irá diminuir a volatilidade dos ativos, além de aumentar a liquidez das empresas, possibilitando uma gradual volta a normalidade de negociação dos papéis.

A flexibilização monetária, na PEC 10/2020, propõe uma estratégia de estímulo que visa aumentar a oferta de dinheiro em circulação e a sua aplicação já ocorreu em outros países, durante crises ou estagnação econômica, dentre eles Estados Unidos e Japão. “O que ocorre, na prática, é uma transferência indireta. Uma vez que os bancos são os principais detentores de títulos, ao recomprá-los, o Banco Central injeta capital no sistema bancário, que diminui as taxas cobradas em empréstimos, financiamentos e cartões. Com o acesso facilitado ao crédito, o cliente vai às compras e faz o dinheiro circular. Essa medida teve efeitos positivos e ajudou muitos países a atravessar o período de crise”, avalia Hamilko.

Histórico

Essa ideia de responsabilidade do Governo, quanto ao mercado financeiro, foi defendida na década de 30, pelo economista John Keynes, que além de fundador do Fundo Monetário Internacional (FMI), foi diretor do Banco da Inglaterra e ocupou diversos cargos governamentais. Keynes defendeu que, mesmo no sistema capitalista, cabia ao Estado aprimorá-lo, tomando medidas para minimizar os impactos dos ciclos econômicos, definindo taxas de juros para nortear a propensão a investir, em detrimento da liquidez desejada nos momentos de incerteza.

E foi isso que aconteceu em 2008, nos Estados Unidos, em que o FED, banco central norte-americano, adotou essas medidas. “No Brasil, passamos por muitas variações expressivas nos valores de títulos públicos e privados, nas últimas semanas. E aquela antiga lei do mercado, de oferta e procura, entrou em cena. Como a oferta foi expressivamente maior do que a procura, o preço dos ativos foi impactado negativamente. O problema é que, caso esse ciclo de oferta se mantenha por tempo demasiado longo, determinados setores da economia podem ficar em risco, pois empresas se financiam não apenas com dinheiro de bancos, mas também no mercado aberto de renda fixa. É aqui que entra a PEC do Banco Central, dando liquidez para esses ativos, equilibrando a balança de oferta e demanda. Vemos a medida como necessária para ajudar a normalizar o mercado de crédito e dar mais estabilidade para as empresas devedoras”, reflete o sócio da Allez Invest.

Sobre a Allez Invest

         A Allez Invest é uma boutique de soluções de investimentos no Brasil e no exterior. Com sede em Curitiba (PR), é credenciada à XP Investimentos, a maior corretora de valores e títulos mobiliários da América Latina, oferece um modelo de assessoria financeira exclusiva, compreensiva e completamente personalizada para seletos clientes. Além de Hamilko, a equipe da Allez Invest é composta por mais seis sócios: Arthur Weber Rubert, Rodolfo Magno Baggio, Guillermo Arauz, Frederico Loss e Mônica de Moraes Campos, todos com prévio conhecimento do mercado financeiro nacional e internacional. Os sócios já passaram por renomadas empresas do país e trazem uma grande bagagem de conhecimento na economia, que é constantemente atualizada.

Serviço:

Allez Invest

Endereço: Rua Heitor Stockler de França, 396, sala 2106, Edifício Neo Business, Centro Cívico – Curitiba (PR)

Telefone: (41) 3514-5890

Site: www.allez.com.br

Instagram: @allez_invest

Facebook: @allezinvest

LinkedIn: @allez-invest

Informações para a imprensa:

Mcomm Comunicação Dirigida

Fone: (41) 3343-9800

Marcus Contin DRT/PR 3838

Juliane Fladzinski

juliane@mcommdigital.com.br

         www.mcommdigital.com.br

Instagram: @mcommcomunicacao

allez